segunda-feira, 6 de junho de 2016

Arquitetura do Fogo

Aproveito o mês das festas juninas para escrever sobre o fogo e algumas de suas configurações, nada mais oportuno pois nesta celebração, assim com em outras ele é essencial. O fogo nos acompanha desde os primórdios dos tempos na nossa gênese da formação de uma cultura, representa o Grande Mistério em diversas tradições culturais, é manifestação.
Na tradição milenar dos Vedas a lareira é apontada como "Altar de todas as Casas",  para os povos nativos americanos é a representação do Grande Espírito. Essencial no cozimento das nossas refeições, no aquecimento do lar; o fogo impulsionou nosso processo evolucionário e pode ser visto de diversos aspectos e formas. Me detenho primeiramente nas fogueiras.       

Sobre a formato das fogueiras para cada Santo adotou-se um desenho, como seguem abaixo:  

(São 3 os formatos das fogueiras da Festa Junina: a primeira, quadrada,

em comemoração a Santo Antônio; a segunda, piramidal, celebra São Pedro;

a última, cônica, festeja São João - ilustração: O Globo)


 O uso da fogueira muito provavelmente se deve em função das baixas temperaturas durante os últimos meses do ano em que se comemorava o solstício de verão. Atualmente, segundo a concepção católica que se fundou sobre as bases dessa celebração, a fogueira significa o anúncio do nascimento de João Batista, primo de Jesus, à Virgem Maria. "Como era noite e Isabel morava em uma colina, esta foi a forma encontrada para o aviso. Por este motivo, nas noites de junho são montadas fogueiras como forma de celebração. (...). No sertão, o batismo de João também é lembrado com banhos à meia-noite no rio mais próximo." (3)


Em Porto Alegre tínhamos uma lareira em casa onde nos reuníamos para celebrar o frio e nos unirmos.  Desde então meu fascínio pelo fogo. 

Na época de chuva em Brasília fiz uma cobertura para fogueira de improviso (com materiais disponíveis no local) e atendeu bem a sua função.   




   
Já a questão da cocção dos alimentos é talvez o aspecto mais habitual do fogo e hoje chega ao requinte do desenvolvimento tecnológico das cozinhas modernas, mas igualmente começou nas fogueiras. Abaixo alguns tipos:   
Sobre festivais e celebrações o que mais impressiona em termos de construções efêmeras criadas especialmente para serem queimadas é o Burning Man -   http://burningman.org/ - onde são criadas muitas estruturas. 




No Xamanismo o Fogo Sagrado é figura central e o desenho vai desde a seta apontando para a direção do trabalho, o número de paus, até o semi-círculo e todas as medidas. É determinado uma pessoa específica para a manipulação do fogo. As pedras numa cerimônia de Temazcal são aquecidas no fogo e também seguem um desenho determinado. 


É um estudo muito bonito desde as lareiras, fogões, fogos de chão, altares o elemento Fogo se faz presente na combustão ou queima que é uma reação química exotérmica entre uma substância (o combustível) e um gás (o comburente), geralmente o oxigênio, para liberar calor e luz. É transformador por essência. Tão bem representado na chama de uma vela. 
Traçando um paralelismo, transformador assim como a arquitetura, que produz espaços.  
Sds. 
Gabriel B. M. B. Gomes. 

     











Nenhum comentário:

ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA

O ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA , ou ATELIE   compartilhado com o arquiteto e fotógrafo Jean Peixoto tem como endereço a CLN 211, Bloco A, sala ...